cabeçalho4.fw

A Senda do Adepto

A Senda do Adepto

Prosseguindo em nossas explanações por meio de estudos cosmológicos espirituais, voltemos ao Período de Saturno, quando a humanidade principiava sua marcha. Nesse Período surgiram os Grandes Luminares, as Hierarquias, que estavam acima desse globo, e que auxiliaram a humanidade infante por meio da Luz INERENTE A SEUS CORPOS, promovendo uma lenta densificação das partículas desse globo nascente que, posteriormente, transformou-se em LUZ. A alimentação da humanidade nessa época era constituída de CALOR, e, posteriormente, passou a ser LUZ. Se aceitarmos tal fato como verdade, teremos que convir, que essa mesma LUZ, ainda hoje, nos serve de alimentação.

Não é possível "haver vida sem essa Luz que se" encontra tanto dentro, como fora de nosso organismo. Não somos mais tão ingênuos a ponto de acreditarmos que o mundo não seja uma expressão da Luz de Deus, pois Deus é Luz, da qual tudo foi feito, e que se propaga e tem sua eterna existência (Vide Evangelho de São João, capítulo 1).

Assim, toda nossa alimentação é um produto da Luz que produz em nós o Calor existente desde os primórdios de Saturno. Esse calor manifesta-se em nosso sangue sem o qual, o Espírito, o Ego, não teria possibilidade de manifestação. Lembremo-nos que o calor do sangue é a posição vantajosa do Ego em seus veículos. Os quatro Éteres que fazem parte da constituição estão intimamente ligados à nossa existência física densa, bem como às funções puramente transcendentais.

Assim compreendemos claramente o seu valor cooperante, intrínseco, desde Saturno (calor sanguíneo), Período Solar (Luz, transformação de calor em Fogo, concordante com o Éter de Vida, Luminoso e com a formação do sistema nervoso) e, finalmente, o Éter Refletor, que traz ao nosso cérebro físico a percepção do Universo fora de nós. Notamos haver, portanto, um alimento concordante com as quatro modalidades de éteres que sustentam o organismo humano. Através de etapas; de uma aprendizagem pelos Períodos, Épocas e Revoluções, o ser humano, atingido o grau de Adepto, consegue dispensar os alimentos desses Períodos, pois, as forças criadoras passam a atuar nele com todo seu potencial.

Por isso nos torna compreensível que o espiritualista tenha que se abster de alimentos cárneos, procurando uma dieta mais natural, concordante com a finalidade que tem em vista. À nossa disposição estão os alimentos vegetais, as frutas, os legumes, etc., todos eles fontes excelentes de energias solares.

Podemos, ainda, juntar o seguinte: O Espírito Universal é um alimento perfeito, como bem o expressou Cristo, o Senhor:

"Nem só de pão Vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus" (Mt 4:4).

Isso significa que da boca de Deus sai o alento, a Vida que sustenta a todo ser humano que vem a este mundo.

Este é o verdadeiro alimento; e outro não há, pois, mesmo apresentando-se sob várias formas e aspectos, o Espírito é UM e sempre o mesmo. A todo aquele que desejar futuramente habitar nos Céus, ou seja, a Celeste Jerusalém, exorta-se a alimentar-se, desde já, do maná dos céus, isto é, do Espírito.

Deste mesmo Espírito testificam todas as Escrituras Sagradas. Não resta nenhuma dúvida de que aquele que não se alimentar desse Pão de Vida, futuramente não terá condições de habitar nas novas condições do próximo Período, pois não será encontrado vestido com suas Vestes Nupciais. Estará, segundo as Escrituras, NU.

Expliquemos, portanto, o desenrolar do processo que nos leva a atingir o estágio mencionado por Cristo, com as palavras: "Vós sois deuses". Os deuses vivem no Paraíso, conforme descreve a Bíblia no Gêneses, ao se referir aos seres que constituíam a humanidade nesta fase, com os nomes de ADÃO e EVA, luzes que existiam antes que o mundo fosse feito, de acordo com as palavras de Cristo em Sua oração sacerdotal. Já mencionamos essa passagem. À Porta desse Paraíso se postam Querubins trazendo em Suas mãos alguns LÍRIOS. Isto significa que não podem franquear passagem para esse Reino Celestial àquele que não trouxer em si os lírios espirituais. Aqui não se trata de flores comuns, tampouco de "salvação", pois já "está salvo" pela Luz Branca e transparente, o que significa que na Alma já não se encontra mácula alguma. Cristo é a LUZ e a PORTA do Paraíso, no que se vive em perfeita Unidade com o Absoluto. Humanamente não temos outra palavra à disposição para designar o Paraíso, mas temos, internamente, qualidades condizentes com esse estado paradisíaco, conhecido também como a NOVA JESURALÉM QUE DESCE DOS CÉUS PARA DENTRO DA ALMA HUMANA, conforme as palavras do Apocalipse.

Nesta Nova Jerusalém, o Senhor, a Nova Alma, ceia conosco em uma Mesa, do mesmo manjar. Cristo é Quem nos dá manjar espiritual, na expressão mais exata d'Ele mesmo, quando na Santa Ceia fala aos Seus discípulos com as seguintes palavras: "'Tomai, comei, este é o meu corpo". "E tomando o cálice, dando graças, disse: Bebei todos.

Porque isto é o meu sangue, o SANGUE DO NOVO TESTAMENTO, que é derramado por muitos, para a remissão dos pecados" (Mt 26: 26-28).

Se imaginarmos a Santa Ceia em que Cristo presidiu à mesa, e se tivermos um pouco de percepção espiritual, ser-nos-á possível encontrar uma ação impressionante, pois o Pão que entregou aos discípulos não era o pão comum: era a própria Luz que o Senhor entregava. Ele mesmo disse: "Isto é o meu corpo" – isto é – a Luz Solar, a Luz do Espírito de Vida, a Água da Vida ou Árvore da Vida que estava plantada no Centro do Paraíso, mencionada no Gênesis e no Livro do Apocalipse. Logo, deve-se compreender que a LUZ DE CRISTO foi derramada abundantemente sobre o pão do qual todos eram transformados pela aliança do NOVO TESTAMENTO, a Luz das Alturas em que Cristo tem Sua Morada. Aqueles que se dirigem ao Adeptado devem, por ordem espiritual, quando comem, sentir a Presença, a imensa Luz que se derrama sobre eles. Na essência do pão e no suco dos frutos maduros, tomamos como alimento, o próprio Corpo de Deus que é Luz.

No Apocalipse lemos: "Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro" (Ap 22:13).

Uma ligeira análise das palavras acima nos mostra a finalidade de Cristo e de Seus súditos na NOVA JERUSALÉM, que desce do Infinito, e na qual Cristo habita juntamente com a humanidade. Se configurarmos as palavras "Alfa e Ômega", entrelaçadas, formando um círculo, isto é, se sobre a letra "A" colocarmos a última letra do alfabeto grego, "O", praticamente não saberemos onde começa nem onde terminam "A" ou "O".

Deus não tem começo e nem fim. O Alfa está no Ômega, e vice-versa. Partindo dessas explicações podemos, agora, ler o capítulo 14, versículo 1 do Apocalipse, que diz: "E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o Monte Sião e com Ele 144.000 que em suas testas tinham o nome d'Ele e de seu Pai".

No versículo 2 lemos: "Ouvi uma voz de muitas águas, como voz de trovão; também a voz que ouvi era como de harpistas quando tangem as harpas".

O que nos surpreende nesses versículos, e aliás em todo o Livro, é a sua construção e a clareza de seus dizeres místicos. Nos últimos dois versículos está explicado que o Pai, o Filho, a Humanidade e o Universo em seu movimento (atividade), o Espírito Santo, formam, em conjunto, uma grande sonoridade. A Humanidade é representada pelo número 144.000 que, cabalisticamente, simboliza a humanidade. O nome em hebraico é ADM ou ADAM.

Aleph é o número 1

Daleth é número 4

Mem o número 40

Adam, portanto, é igual ao número 144; adicionando-se os três algarismos, teremos o número nove. Os três zeros finais querem significar que a Humanidade já passou por três grandes Período de desenvolvimento: Saturno, Solar e Lunar, tendo entrado para o quarto grande Período denominado Terrestre. Nos versículos acima, representa-se uma Humanidade redimida, perfeita, pois todos trazem em suas testas o Sinal do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

Nas três vezes em que se refere à voz, o Apocalipse queria significar a Harmonia Absoluta dentro de toda Criação, pois todos serão salvos por Cristo, o "Alfa e o Ômega", o Princípio e o Fim, na Unidade Perfeita: O Absoluto. Ainda analisando o número 9 de ADAM, ou seja, daqueles que trarão em suas testas o Sinal do Pai, Filho e Espírito Santo, o Consolador prometido por Cristo em Sua despedida, encontramos três trindades; no princípio das coisas como "Aleph", do qual tudo foi feito, e que se desdobra para o nove. Se aceitamos que no Pai está o Filho e o Espírito Santo, deparamos com o número três. Se olharmos para o Filho, encontramos o Pai e o Espírito Santo, o número três, no UNO. Se olharmos para o Espírito Santo, encontramos o Pai e o Filho, que nos levam novamente para o número três, no UNO.

Assim temos: 3 +3 + 3 = 9.

Voltemos, ainda, ao 14º capítulo, versículo 1 do Apocalipse, em que está escrito: "E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o Monte Sião e com Ele 144.000 que em suas testas tinham escrito o nome d'Ele e de seu Pai".

Lembremo-nos, antes de mais nada que o Espírito Santo foi enviado por Cristo, que voltou ao Pai, depois de deixado o mundo, tendo sido imolado como um Cordeiro no Altar da humanidade, a fim de salvar o gênero humano decaído, por meio de Seu Sangue, a Luz de Deus. Daí o Espírito Santo ter sido enviado a fim de continuar o trabalho de salvação, até que Cristo volte novamente para uma humanidade gloriosa, aperfeiçoada. Por essa ocasião todos deverão trazer nas testas o Sinal do Pai e do Filho. Que configuração poderá ser este Sinal?

Falemos antes da Trindade. Nessa Trindade manifesta-se o UNO. Haverá, então, uma estrela nas testas daqueles que se salvarem. Isso encontra-se descrito no capítulo 22, versículo "EU JESUS, ENVIEI O MEU ANJO, PARA VOS TESTIFICAR ESTAS COISAS ÀS IGREJAS. EU SOU A RAIZ DA GERAÇÃO DE DAVI, A BRILHANTE ESTRELA DA MANHÃ".

Resta-nos somente, dizer o seguinte, juntamente com o versículo 17 que diz:
"O Espírito (Ego Humano, a Centelha Divina) e a Noiva (Alma) dizem: Vem. Aquele que ouve diga: Vem. Aquele que tem sede, venha, e quem quiser receba de graça a ÁGUA DA VIDA".

Com essas palavras podemos compreender que uma humanidade perfeita trará, como Sinal de Salvação, a BRILHANTE ESTRELA DA MANHÃ DE NOVE PONTAS em sua testa. O Espírito uniu-se em matrimônio à sua noiva, a Alma, para receber a Água da Vida, para nunca mais sair do Corpo do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

(Revista 'Serviço Rosacruz' – 11/73 – fraternidade Rosacruz – SP)