cabeçalho4.fw

Nossa Parte no Trabalho de Redenção

Nossa parte no trabalho de redenção

Não podemos gozar da verdadeira paz enquanto não tenhamos desprezado tudo que é incompatível com o nosso Ego, a nossa Natureza divina.

Por exemplo, se tentamos encher o vazio que existe dentro de nós, dentro de nossa alma, com apetites sensuais, nada conseguiremos, senão desespero e sofrimento.

Se tentarmos realizar os nossos anseios da verdade através da aplicação da nossa inteligência nos objetos externos, sejam eles: coisas do Mundo Físico; desejos, emoções ou sentimentos do Mundo do Desejo ou Pensamentos do Mundo do Pensamento, nada conseguiremos, senão frustração, dor e desânimo.

A solução nós entenderemos cedo ou tarde. Depende somente da nossa própria vontade. Quanto mais demorarmos em mudar, mais sofreremos, mais nos aborreceremos e mais nos entediaremos. Mais viveremos no enganoso e na ilusão.

A solução é nos aproximarmos da Luz, obedecendo à lei da Luz, a Lei Divina. Devemos transmutar nossos apetites sensuais em apetites criadores, afinal a energia é a mesma, somente temos de mudar a direção.

Devemos desistir de nos manter dirigidos pelas coisas externas. Devemos dirigir nossa visão espiritual para a Luz, para as coisas espirituais. O nosso despertar para essa verdadeira realidade nos trás um desejo enorme e descontrolável de progredir rapidamente.

É como se quiséssemos recuperar todo o tempo que perdemos vivendo na realidade ilusória de responder as coisas externas.

Desejamos rapidamente: ver os mundos internos, funcionar conscientemente nestes mundos, conviver com as entidades destes mundos. Rapidamente, acreditamos estarmos perfeitamente aptos para fazer tudo isso e, se possível, de uma só vez.

Aos poucos nos desanimamos e os motivos são sempre os mesmos, variando somente nas suas diversas intensidades e matizes. De qualquer modo, seja qual motivo dermos ênfase, o problema é nosso! Nós é que nos mostramos incapazes e, somente nós é que podemos nos corrigir para prosseguir nesse caminho escolhido.

Mas, vamos aos motivos:

  1. Largamos tudo e nos dedicamos exclusivamente aos estudos espirituais

Alteramos totalmente a nossa rotina. Reprogramamos nossos horários para termos tempo de fazermos meditações, concentrações, orações. Não admitimos sermos interrompidos. Nosso tempo para tratarmos das coisas exteriores é o menor possível, somente para garantir a nossa sobrevivência e subsistência. O restante do tempo é para estudar. Ler toda a biblioteca. Se possível reler. Participar de todos os seminários, reuniões, conferências. Se possível só ficar escutando para assimilar mais. Negar falar de outro assunto senão o que envolve as coisas espirituais, principalmente se for algum assunto que tenha dúvidas. Neste caso só falta nos isolarmos numa caverna, tal como faz um ermitão (só não o fazemos, porque teríamos que cozinhar, lavar, limpar, enfim, gastar o tempo em coisas que não tem nada a haver com as espirituais, segundo sua percepção!). E mesmo assim não entendemos porque, neste caso, o nosso progresso espiritual não é visível para nós. Mais do que isso, parece que retrocedemos.

Por meio deste motivo, esquecemos de uma coisa importantíssima: o nosso progresso espiritual não depende de modo algum de nossos próprios esforços. Ao contrário, quanto menos planejamos estabelecer leis por nós mesmos e quanto mais nos submetemos à lei universal, tanto mais rápidos serão nossos progressos. Jamais podemos dirigir nossa vontade num sentido diferente da Vontade Universal de Deus. Se a nossa vontade não é idêntica a vontade divina, nos pervertemos com efeitos funestos. Somente quando a nossa vontade se harmonizar por completo e cooperar com a vontade de Deus, ela será poderosa e efetiva. E qual é essa Lei universal, essa vontade divina para esse motivo, e que foi a causa do aparente fracasso? O serviço amoroso e desinteressado para com os outros.

Esquecemos a exortação de Cristo: “que o maior de entre vós seja ao servo de todos”

Esquecemos, então, de nos esforçarmos, diariamente por servir o nosso semelhante, em qualquer oportunidade que nos apresente, sempre com amor, simplicidade e humildade.

Vamos a um segundo motivo:

  1. Quanto mais nos voltamos para a vida espiritual parece que maior adversidade encontramos em nosso entorno, e, muitas vezes, desistimos, desanimados, justamente por isso.

Aqui é o caso de um carro que leva uma grande carga numa descida: pouco esforço é despendido. Mas quando este mesmo carro leva esta grande carga na subida: despende muito esforço e o progresso não é tão rápido. A mesma coisa ocorre com cada um de nós.

Enquanto caminhamos a favor: das circunstâncias externas, das ocasiões, dos problemas, da sociedade e seus compromissos e dos valores materiais, sendo conduzido ao sabor do vento, navegando a favor da corrente da vida, tudo parece fácil.

Mas no momento em que decidimos seguir o caminho espiritual, o caminho para a vida superior, entramos em atrito com as pessoas que insistem em seguir o caminho material, o caminho da busca pela felicidade terrena. Tudo ao nosso redor se rebela. É como se tudo ao nosso redor conspirasse contra nós. Os atritos maiores são com os que estão mais próximos de nós. Por quê? Porque eles foram exatamente aqueles que nós escolhemos para percebermos melhor nossos defeitos e nossas qualidades. E quando decidimos transmutar nossos defeitos em qualidades escolhendo o caminho da vida espiritual, são eles os primeiros a cobrar.

Além disso, cada pessoa que está ao nosso redor também nos escolheu para conviver nessa existência através da afinidade, da semelhança e do desejo de aprender lições conjuntas. A partir do momento que rompemos com a inércia de caminharmos em busca da felicidade material e nos dedicamos à vida espiritual provocamos uma alteração total nesse nosso mundo ao redor. Isso é refletido nas consciências dos que estão ao nosso redor e, como semelhante atrai semelhante, perturbamos as consciências deles e mesmo não havendo resposta imediata, cada vez que nos vêem, é lembrada a necessidade de mudar e de também escolher o caminho da vida espiritual. Portanto, nós incomodamos. Se partíssemos para um mosteiro, um retiro e lá dedicássemos a nossa vida espiritual talvez não houvesse esse problema e a lembrança não seria tão presente e persistente.

Mas como fazer isso, se o destino de cada Aspirante a Vida Superior é se transformar num esteio do ambiente em que se encontra? Se o nosso nascimento no ambiente e com essas pessoas ao redor é justamente para servirmos com o que melhor precisamos, tanto para o nosso desenvolvimento como para o desenvolvimento de cada um do nosso círculo de relacionamento? E se o meio para nos aferirmos se estamos progredindo ou não é justamente a convivência com os que nos cercam? Então, se desistimos de seguir o caminho para a vida espiritual por causa disto, alegando que não gostamos de entrar em atrito com ninguém, que queremos ser bonzinhos com todos, que tudo está bom do que jeito que está, estamos se esquecendo de exemplificar o exercício de uma das maiores qualidades que cada um de nós possui: não viemos nessa existência para buscar a felicidade material, seja ela traduzida em harmonia ilusória numa família, segurança em ter respaldo financeiro dos pais ou tutores e comodidade de estar provido de todo conforto material, ou em qualquer outra coisa que nos sirva de desculpas para nos manter na inércia de viver a vida ao sabor do vento. Estamos esquecendo que as nossas condições atuais são o resultado das ações que praticamos no passado e que podemos construir o nosso futuro destino melhorando-nos através de uma atuação reta no presente dedicando as nossas aspirações a exercitar uma das maiores qualidades que cada um de nós temos e com quanto esforço a obtivemos que é o livre arbítrio, lançando, assim, desde já boas sementes para o amanhã.

Além disso, o caminho não poderia ser diferente, como lemos em Jó (7,1): “É um combate a vida do Ser Humano sobre a terra”.

Vamos a um terceiro motivo:

3) Parece que nos tornamos chatos, insociáveis e exigentes na nossa convivência

Conforme vamos progredindo no caminho da realização espiritual, gradativamente cairá o véu da ilusão. Vamos tendo uma visão mais clara da realidade. Tudo continua relativo, mas aprendemos a discernir de modo imparcial. Isso nos trás uma segurança de realizarmos opções muitas vezes não entendidas por quem não está seguindo o mesmo caminho. O fato de: não deixarmos nos envolver por conversas fiadas; de não fazer coro quando nos chamam para participar de algo destrutivo; de selecionarmos os assuntos que gostamos de falar; de levar uma vida mais comedida, cuidando com zelo dos nossos veículos e de utilizar o nosso tempo da maneira mais lógica que conhecemos e que nos faz, muitas vezes, ser vistos como: um pretensioso santo ou o dono da verdade ou um metido a besta ou uma pessoa “certinha” demais e isso incomoda muito!

Muitas pessoas chegam até a idolatrar a vida em ilusão. E isso não combina com alguém que sempre está cobrando um posicionamento mais real, mais lógico. Muitas pessoas adoram jogar conversa fora, gastar todo o tempo com coisas que não comprometem e que dá prazer, principalmente o de desejos inferiores. Ou, ainda, com coisas que só servem para acumular conhecimento intelectual e isso não combina com alguém que busca utilizar o tempo da maneira mais lógica que conhecemos. Outras pessoas gostam de falar mal dos outros e isso lhe dá até prazer e isso não combina com alguém que quer ver o bem em tudo.

Afinal o Aspirante a Vida Superior é um eterno questionador, é um eterno investigador. Afiado que é no seu modo de passar tudo pelo crivo da lógica, é natural que sinta certo desconforto de participar de ambientes que nada há de construtivo.

Mas sabemos que “semelhante atrai semelhante” e quão agradável é perceber que pessoas semelhantes, que compartilham dos mesmos novos ideais, se aproximam e formam um belo círculo de convivência! No entanto, não imaginem que nós como Aspirantes a Vida Superior teremos uma vida cheia de admiradores, amigos, cativadores, que estarão sempre nos cortejando nos bajulando ou, até mesmo, ansiosos pela nossa presença. O companheiro do Aspirante a Vida Superior é a solidão.

Afinal, a evolução é individual. Os momentos mais importantes da nossa existência são vivenciados na solidão. O Aspirante busca a auto-suficiência como uma virtude fundamental. A fórmula é a seguinte: sempre praticar, tanto através de nossos pensamentos, como de nossos atos, os ideais que buscamos compreender. Sabemos, também, que a nossa divindade interior é o único tribunal real da verdade. Devemos nos esforçar por estabelecer e submetendo todos os assuntos ao seu veredito final.

Muitos outros motivos poderiam ser discutidos aqui. Todos eles levam as desculpas de irmãos que abandonam o caminho, porque realmente é difícil percorrê-lo. Há obstáculos a vencer e até o menor deles é sentido.

Mas lembremos dos talentos da Parábola que lemos em Mt 25,14-30. O que aconteceu com aquele que aceitou a missão e multiplicou os talentos? “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, eu te confiarei muito, vem alegrar-te com teu senhor”

E com aquele que não arregaçou as mangas, que preferiu a inércia e a comodidade? “Tirai-lhe o talento e dai ao que tem dez. Pois ao que tem muito, mais lhe será dado e ele terá em abundância. Mas ao que não tem, até mesmo o pouco lhe será tirado”

Portanto, o caminho do Aspirante a Vida Superior é um caminho onde parar, estacionar, ficar, esperar, não existe. Quanto mais ele progride mais talentos ele recebe, mas, também maior é sua responsabilidade.

Uma certeza que temos: jamais desistir diante das inúmeras dificuldades que seguramente temos e teremos. Deus nunca nos dará um fardo mais pesado do que aquele que somos capazes de carregar.

Além do que, sabendo que o fracasso reside apenas em deixar de tentar ante qualquer obstáculo, procuremos, paciente e persistentemente atingir o alvo proposto, procurando realizar os elevados ideais ensinados por CRISTO através da nossa vivência diária.

Pois, Cristo é o nosso ideal!

                                                                       QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ