cabeçalho4.fw

O Exemplo do Poverello

O EXEMPLO DO POVERELLO

 No dia 4 de outubro, consagrado no hagiológio a São Francisco de Assis, comemora-se o "Dia das Aves" e o "Dia Internacional dos Animais". A escolha não poderia ser melhor, pois o Poverello exemplificou no trato amoroso com os representantes da onda de vida animal. Ao próprio lobo e ao asno chamou de irmãos.

Johannes Joergensen – um escandinavo de origem protestante que abraçou e seguiu a ordem franciscana – recontou em forma poética algumas das legendas franciscanas, inspirando assim a instituição do "Dia das Aves".

Em uma das narrativas de Joergensen, São Francisco caminhava pelos campos acompanhado por dois de seus discípulos. Deteve-se junto a uma árvore, em cujos galhos pousavam uma infinidade de pássaros. Ali decidiu pregar um sermão "aos nossos irmãos passarinhos", exortando-os a louvarem Senhor, que lhes dava alimentos, lindas e coloridas roupagens, belos e murmurantes riachos para se dessedentarem, rochedos e árvores para construírem os ninhos.

Na realidade, São Francisco dirigia-se ao espírito-grupo de cada espécie animal, donde surgiu a lenda segundo a qual ele conversava com nossos irmãos inferiores.

É louvável tal data constar do calendário escolar, motivando pequenas solenidades onde se faz apologia da preservação animal. Seria, porém, mais edificante e coerente, abolir-se de vez a abominável prática de vivissecção nas escolas. Por que, mesmo a pretexto de estudos, macular o íntimo das nossas crianças com atos tão cruéis? Já não bastam as cenas grotescas e traumatizantes oferecidas· pelas revistas mundanas e pela televisão?

As páginas esportivas dos nossos jornais veiculam, frequentemente, notícias sobre campeonatos de tiro-ao-pombo. Isto constitui um apelo subconsciente à violência.

Que dizer então das caçadas? Convenhamos, é um "hobby" revelador de pouca civilização, contrastando com a empáfia de seus praticantes.

Que dizer das touradas, onde o animal enfurecido, às vezes, faz do toureiro a sua vítima?

Que dizer das brigas-de-galo? Embora na clandestinidade encontram muitos apreciadores por esse mundo afora.

Sem falar ainda nos animais sacrificados diariamente para servir, erroneamente, de alimento ao "homo sapiens". Não nos causa espanto o fato da saúde dos seres humanos ser uma lastima. É o resultado lógico de transgressões, de crueldades cometidas contra aqueles a quem deveriam dedicar estima e ajuda. Privando esses seres de suas oportunidades de evolução, o ser humano só atrairá para si as mais danosas consequências.

A natureza é a expressão física de Deus. E pasmem... quantos crimes se perpetram contra ela, pela dizimação das espécies animais e vegetais. Não se percebe, ou faze-se vistas grossas aos desequilíbrios ecológicos que por certo virão em nosso prejuízo, caso a sanha predatória do ser humano não seja contida a tempo.

É digno dos maiores encômios o esforço dos ecólogos para fazer valer seus pontos de vistas sobre a necessidade de proteção a fauna e a flora. Contudo, pelo menos até agora continuam a pregar no deserto. Essa luta árdua, não obstante, merece o apoio integral dos estudantes rosacruzes, ciosos da responsabilidade que os cerca como fruto do conhecimento.

Sirvam de inspiração as formosas palavras de Ella WheeIer Wilcox:

"Eu sou a voz dos que não falam, e por mim falarão os que são mudos".

"Eu sou o guardião dos meus irmãos; lutarei sua batalha e defenderei o animal e a ave, até que o mundo faça as coisas como deve".

(Gilberto A V Silos – Editorial da Revista Serviço Rosacruz de 10/74)