cabeçalho4.fw

Há Rachaduras na Terra?

Há Rachaduras na Terra?

NATURA

O globo terráqueo, é fácil distinguir,

Está envolto no mistério de nove capas.

Ainda que os videntes incapacitados não possam

Desvendar o segredo do seu coração,

Deus palpita no peito vibrante

Da Natureza e, desde o leste ao poente

Tudo é claridade e beleza.

O Espírito que ronda em cada forma

Atrai os espíritos de sua classe;

Os átomos brilham na sua luz

E lhe sugerem o prescrito futuro,

(Ralf Waldo Emerson)

Da prolífica pena e do iluminado coração do grande vidente Max Heindel saíram volumosos escritos, cheios de inspiração, relativos a Deus, ao ser humano e ao mundo.

A ciência, e bem assim a Religião, pouco a pouco, estão confirmando muitos dos sublimes trabalhos desse homem excepcional. O estudante Rosacruz que procura se manter a par dos acontecimentos do mundo pelos jornais, revistas científicas, rádio, televisão, etc. ficará maravilhado ao verificar, em cada momento que passa, que as revelações ou descobertas científicas eram por ele conhecidas e até descritas muito tempo atrás.

Num homem que escreveu sobre tão diversos tópicos, que abarcam virtualmente todas as fases da vida, há um ponto interessante: em nenhum escrito de Max Heindel encontramos nada de apocalíptico, sombrio ou dramático. Todavia, quanto às poucas predições de importância que ele fez, poderia demonstrar-se quanto têm sido exatas e como se têm cumprido no transcurso dos últimos tempos.

O presente artigo reporta-se unicamente a uma das suas muitas observações de importância mundial.

Como iniciado, Max Heindel tinha a mística faculdade de funcionar conscientemente nos mundos internos e a capacidade de trazer ao plano físico as suas observações daqueles mundos.

Um dos fatos que mais chamou a sua atenção e durante muito tempo lhe despertou o maior interesse, foi a forma de moldar, no Mundo do Pensamento, a substância mental do arquétipo ou matriz de uma Nova Terra; o ser humano, tal como é dito no Conceito Rosacruz do Cosmos, no post-mortem, trabalha sobre a flora e a fauna e ajuda a construir um desenho ou molde espiritual, de matéria mental, para a Nova Terra, aquela que substituirá a presente. Então, esgotado o arquétipo da Terra atual, o Grande Arquiteto infundirá sua vida naquela matriz e a Nova Terra irá surgindo na forma correspondente ao novo arquétipo.

Há muitos séculos que se está processando a construção dessa forma mental; Max Heindel calculou que estaria terminada por volta de 1950 e que por essa altura, e posteriormente, começariam a irromper tremores de terra, erupções. Tal como o ser humano, afirma a Filosofia Rosacruz, a Terra é um Ser evolucionante. Seu Corpo Denso está destinado a perder densidade, tornando-se mais leve, cada vez mais etérico. A Nova Conformação da Terra, por outro lado, facilitará ao ser humano, na sua ronda de mortes e nascimentos, maior variedade de experiências, quando voltar de novo a esta Escola de Vida.

Tudo que existe no mundo, incluindo a própria Terra, tem um arquétipo exato, espiritual, que moldou esse Mundo Físico átomo por átomo, molécula por molécula. Esses arquétipos ou moldes são, todavia, coisas vivas, são a causa invisível de tudo que vive e tem forma na Terra. Tais arquétipos recebem certa natureza de Vida e são destinados a necessárias etapas dela. Quando um arquétipo particular deixa de emitir o seu canto de vida, a forma morre. No caso particular da Terra, seu arquétipo deve ser alterado antes da Terra ser modificada. O que Max Heindel viu foi o arquétipo da futura Terra.

A propósito das profecias de Mother Shipton, feitas cinquenta anos antes da descoberta da América e agora recolhidas no livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas, Max Heindel, a respeito de uma pergunta sobre as possibilidades de concretização dessas profecias, disse que ocorreriam cataclismos na crosta terrestre e que terremotos e crateras vulcânicas surgiram durante largos períodos de tempo. E que por volta de 1950 estaríamos assistindo aos sinais dessas transformações. E, em comentários mais amplos sobre as mesmas profecias, Max Heindel fez referências ao fim do mundo em 1991, no sentido de que um terrível cataclismo ou explosão sacuda o mundo inteiro, de tal modo que justifique a sua profecia. Logicamente, uma forma de expressão, visto que ele não acreditava que isso possa ser o fim do mundo.

Recentemente, os seres humanos de ciência, no campo da geologia, têm feito espantosas predições relativas a terremotos que podem irromper ao longo das grandes linhas de fratura da Terra. Também têm sido reportados como muito abundantes a atividade vulcânica e os terremotos.

Contudo, a mais alarmante revelação jamais ouvida no mundo proveio de uma tese cientifica, que afirma que a Terra está se fendendo gradualmente. Há cinco anos, uma jovem cartógrafa, Maria Tharp, notou que se estava formando uma série de terremotos perto de grandes fendas submarinas. Explorações feitas durante a maré alta localizaram essas trincheiras e uma grande linha de enormes fendas se descobriu por todo o globo. Tais fendas ou trincheiras submarinas têm uma profundidade de cerca de 3.500 metros e a largura de 46 quilômetros, ladeadas por montanhas de 2.000 metros de altura. Esses dados foram reportados pelos geólogos na Universidade americana de Columbia.

Segundo os ensinamentos Rosacruzes, a Terra tem nove capas ou estratos e um coração ou núcleo central.

Sob o Estrato Mineral, aquele sobre o qual vivemos, encontra-se o Estrato Fluídico, menos sólido que a crosta terrestre, não líquido, antes, uma pasta compacta. Tal estrato tem grande poder de expansão, tal como um gás altamente explosivo. É mantido no seu lugar pela enorme pressão e solidez da camada externa. Se esta camada externa se quebrasse, o Estrato Fluídico lançar-se-ia no espaço, produzindo uma catastrófica explosão. Ora, se as fendas da Terra se aprofundarem, é lógico supor que se produzam violentas reações pela libertação do Estrato Fluídico. Aliás, sabemos que, no passado, a Terra suportou muitos cataclismos e modificações e terá que sofrer muitos outros no futuro.

Tudo isto nos revela que nada mais somos que hóspedes temporários na superfície da Mãe Terra e que devemos ter regozijo em que o Espírito da Terra se esteja aliviando, pouco a pouco das suas cadeias físicas. É o mesmo que está sucedendo conosco, ao subirmos progressivamente, de condições materiais para estados mais espirituais. Temos, portanto, o dever de nos mantermos ao nível dos tempos que passam e preparar-nos, em todos os sentidos, para qualquer eventualidade da vida.

(Traduzido da Revista Rays from The Rose Cross e Publicado na revista 'Serviço Rosacruz' – 04/1971)