cabeçalho4.fw

O Ser Humano é um portador da Luz Divina

O Ser Humano é um portador da Luz Divina

 

O Ofício Devocional da Fraternidade Rosacruz ressalta em um de seus mais belos parágrafos que "DEUS É LUZ". Na impossibilidade de definir o indefinível, João Evangelista procurou dar uma ideia a mais aproximada possível da natureza da Divindade. O termo "LUZ", em sua acepção mais elevada, foi usado pelo "discípulo amado" para corporificar uma imagem de algo transcendente.

Lemos no Antigo Testamento que fomos “criados a imagem e semelhança de Deus". Isto deixa transparecer, em termos esotéricos, nossa identidade com o Pai Celestial, do qual herdamos um manancial infinito de potencialidades. Por enquanto, são apenas poderes latentes, aguardando as várias etapas da evolução para manifestarem-se em todo seu esplendor.

Para o ser humano comum, tudo isso não passa de fantasia, de loucos devaneios. Ledo engano. A humanidade, em sua maioria, ainda se encontra muito impermeável aos raios da verdade.

Cristo, Espírito incomensuravelmente mais avançado que qualquer ser humano, expressou essa grande possibilidade nestas palavras: "Vós fareis o que eu faço e coisas maiores ainda".

Em termos potenciais, nossa relação com Deus pode ser entendida mediante a comparação da árvore com a semente. Esta contém todas as possibilidades de desenvolvimento da árvore. Contém germinalmente, a árvore, em si mesma. Porém, ainda não é uma árvore. Para chegar a esse ponto requer certos cuidados e um trabalho especial.

Com o ser humano ocorre algo análogo. Ele é possuidor de todas as faculdades de seu Divino Pai, mas em estado latente. Para chegar à estatura divina, só mediante os cuidados e o trabalho especial promovido pelas Grandes Hierarquias. Um sábio esquema evolutivo fornece todos os meios para que o ser humano desenvolva, com segurança, todos os seus poderes. Pelo menos no que diz respeito ao ser humano, "involução, evolução e epigênese", constituem a tríade responsável pelo progresso.

Vemos, portanto, que se "Deus é Luz", essa luz brilha também dentro de nós. E se projeta para fora à medida que estamos conscientes da sua presença, agindo e vivendo como seres autenticamente divinos. A paz e pureza irradiadas por um ser humano, seu amor à verdade, seus atos de bondade e compaixão, seus sentimentos de ternura, tudo é manifestação dessa luz divina.

Alguém nos comparou a diamantes brutos, carentes de lapidação para poder brilhar. Quando a crosta opõe resistência à ação de Deus – o Grande Lapidador – necessário se toma o emprego do esmeril. É quando a pedra geme, fazendo desprender a matéria grosseira que a envolvia em trevas. Observamos aí uma alegoria ao sofrimento. O ser humano não deve resistir à luz divina, ansiosa por perpassá-lo, sob pena de transgredir urna lei natural e colher o resultado em forma de dissabores.

Devemos ser como um transparente cristal permitindo a divina luz irradiar seu fulgurante brilho.

Para lograrmos ser esse foco luminoso, é indispensável alimentarmos somente pensamentos e sentimentos positivos, traduzindo-os em atos realmente edificantes.

"Pelos seus frutos os conhecereis". A vida de uma pessoa é o indicador da medida em que a luz divina dela é irradiada. A consciência de nossa identidade com Deus faz crescer nossa responsabilidade em face aos problemas dos nossos semelhantes e do mundo em que vivemos. Não há como fugir dessa realidade.

Temos uma missão a cumprir, missão essa consubstanciada naquelas expressivas palavras de Cristo: "Vós sois o sal da terra e a luz do mundo".

Irradiemos, portanto, essa luz superior!

(Gilberto A V Silos – Editorial da Revista Serviço Rosacruz de 7/79)