cabeçalho4.fw

Poder Espiritual: Muitos Anelam, mas Poucos Sabem no que Ele Constitui

Poder espiritual: muitos anelam, mas poucos sabem no que ele constitui

A Filosofia Rosacruz descreve surpreendentemente todo o processo pelo qual o ser humano, desde a condição de chispas divinas, abandonou sua pátria celeste e iniciou o processo de manifestação individual. O objetivo dessa manifestação era de transformar cada chispa, que possuí toda a divindade em potencial dentro de si (assim como uma semente é uma árvore em potencial), em um Deus dinâmico criador e desenvolvido.

Para essa aquisição grandiosa, teve que receber veículos que permitisse esse processo. Assim como Deus É tríplice (Pai, Filho e Espírito Santo) o ser humano, Sua imagem e semelhança, também se manifestou de modo tríplice: Espírito Divino, Espírito de Vida e Espírito Humano (o Ego).

Mas tal condição, apesar de necessária, não era suficiente. O Ego também deveria possuir uma ferramenta material correspondente a cada Espírito que recebeu. Somente assim poderia viabilizar o desenvolvimento do inato potencial divino que possui. A ferramenta do Espírito Divino é o Corpo Físico. O modo pelo qual o Espírito Divino pode desenvolver sua potencialidade depende daquilo que o Ego extrai de experiências produzidas pelo Corpo Físico. A essência dessa experiência é denominada Alma Consciente (ou quintessência do Corpo Físico). Aquilo que o Ego extrai das experiências produzidas pelo Corpo Vital, constitui o alimento do Espírito de Vida. Esse alimento é denominado Alma Intelectual (ou quintessência do Corpo Vital). Finalmente, o que o Ego extrai do Corpo de Desejos constitui o alimento do Espírito Humano. Tal produto é denominado Alma Emocional (ou quintessência do Corpo de Desejos). O verdadeiro poder espiritual é exatamente o quanto de Alma pode-se produzir. Quanto mais Alma ou crescimento anímico (essência das experiências), maior será o poder espiritual do Ego. Todo o restante sobre o significado do que é poder espiritual, é fantasia ou vaidade.

O objetivo da vida é empregar todo o esforço possível para amalgamar ao Ego as experiências que constituem a Alma. De modo prático, isso é feito pelo trabalho que realizamos no mundo. Não é raro encontrarmos pessoas sonhadoras, anelando por dons espirituais, conhecimento da verdade e luz espiritual. Juntamente a esse forte desejo, também está a fraca compreensão e decisão de trabalho direcionado a renunciar as más intenções pessoais, que é condição sine qua non* para aquisição desse poder. Além disso, mesmo que um Mestre deseje iniciar um discípulo, este último deve possuir o poder para tal. Uma arma sem munição jamais poderá realizar um disparo; se faltar energia elétrica, jamais poderá acender uma lâmpada, mesmo que a pessoa tenha a lâmpada e os fios necessários para acendê-la.

Quando se diz que o trabalho de aquisição de poder espiritual se dá pelo trabalho no mundo, estamos referindo ao momento único pelo qual é possível realizar progressos espirituais: o momento em que o Ego está encarnado. Aqui, na Região Química do Mundo Físico, tão desprezada por alguns espiritualistas, o ser humano está em condições perfeitas e com a cadeia completa de Corpos (Físico, Vital, Desejos) e Mente, para aproveitar as oportunidades de testar a vontade do Tríplice Espírito. Isso permite o desenvolvimento de seu poder até que atinja maturação espiritual.

É Lei de Polaridade a seguinte afirmação: O poder espiritual se adquire durante a encarnação na matéria. A Escola de Sabedoria Ocidental dos Rosacruzes é uma escola “inversa”. Quando um discípulo Ocidental descobre o que significa o poder espiritual, e o que ele deve fazer para adquiri-lo, jamais permanece em condição alheia ao mundo e a seu ambiente. Pelo contrário, inicia um processo de trabalho incessante jamais ocorrido em sua vida.

Novamente, não é raro encontrarmos pessoas que anelam poder espiritual ou a tão almejada união com Deus. Deste modo, iniciam uma vida de muita meditação, muito estudo, muita especulação, muito discurso, muito egocentrismo, poucos relacionamentos, pouco movimento e nenhum serviço. Conforme o tempo vai passando, o aspecto material torna-se totalmente abandonado e em desordem. A encarnação, momento pelo qual é a única condição em que o Ego pode se desenvolver em plenitude, é desperdiçada com justificativas metafísicas.

Essa condição nos faz lembrar o poema A Lenda Formosa, de Henry H. Longfellow e também a história do asceta. Essa última é descrita abaixo:

 

Um asceta estava meditando em uma caverna. De repente, um rato entrou e deu uma mordida em sua sandália. Aborrecido, o asceta abriu os olhos.

Por que você está perturbando a minha meditação?

Estou com fome – guinchou o rato.

Vai embora, rato louco – pregou o asceta. – estou procurando a união com Deus. Como se atreve a me perturbar?

Como espera tornar-se um com Deus – perguntou o rato – se nem mesmo consegue tornar-se um comigo?

 

A ingenuidade é filha da ignorância. É bastante nobre o desejo de busca por poder espiritual, mas é muito mais nobre ser capaz de compreender a responsabilidade e o equilíbrio necessário que esse poder exige.

“Falei eu com o meu coração, dizendo: Eis que eu me engrandeci, e sobrepujei em sabedoria a todos os que houveram antes de mim em Jerusalém; e o meu coração contemplou abundantemente a sabedoria e o conhecimento. E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que também isto era aflição de espírito. Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor”. (Eclesiastes, 1: 16-18)

O conhecimento deve ser mesclado com amor. A razão deve guiar o sentimento, do mesmo modo como um cano direciona o curso da água. Já o amor, permite que uma pessoa iniba sua tendência egoísta de fazer justiça a todo preço, afinal à lógica mostra que um pecador deve pagar o preço pelos seus erros. Sem um guia, o amor pode ser desperdiçado ou mal dosado; sem amor, a razão pode gerar ainda mais separatividade.

O poder espiritual somente será alcançado por aqueles que aprenderam a equilibrar os sentimentos com a razão (o lado místico com o lado ocultista; a cabeça e o coração). Sem esse equilíbrio, não poderá receber e acessar as verdades que os planos internos oferecem. Por mais estranho que possa ser, a incompreensão de toda a verdade, pela falta de poderes espirituais, favorece a evolução do próprio homem.

Não é raro verificar pessoas que já conhecem os mecanismos da Lei de Causa e Efeito e sobre o Livre arbítrio relatarem a seus familiares que atos errantes produzirão efeitos desastrosos no futuro (ex: hábito de fumar e aparecimento de câncer; má alimentação e obesidade contribuindo para hipertensão ou diabetes). E que se isso ocorrer, não poderão fazer nada em seu favor, afinal, todos são livres e devem ter a responsabilidade de assumir as consequências futuras dos atos presentes.

Essa mesma pessoa, no entanto, possui um filho que tem uma síndrome genética acompanhada de retardo mental. Por não ter habilidades espirituais, como a capacidade de realizar a leitura na Memória da Natureza, ele é incapaz de verificar que esse filho, em outras vidas, realizou atos bem piores em relação aos atos presentes de seus outros familiares ou amigos. Por desconhecer os pecados passados de seu filho, ele o acolhe com muito amor e consegue a união com ele (união que o Asceta não conseguiu com o rato).

A conclusão lógica desse fato é: será que o aspirante está realmente preparado para ter poderes espirituais e conhecer a verdade? Em muitos casos, a ignorância é uma benção, pois o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor. Um dos principais motivos de ação do ser humano atual é a justiça aliada ao egoísmo e se ainda lhe fosse dado poderes espirituais, jamais o equilíbrio das desarmonias que geramos no passado seria atingido. Sábios são os Guias da humanidade que nos mostram pelo exemplo que somente pelo amor, desprendimento e muito trabalho, enquanto encarnados, é que o ser humano poderá se tornar UM COM TODOS E COM DEUS, é lhe será possível despertar seus poderes espirituais.

*Sine qua non ou condição sine qua non originou-se do termo legal em latim para “sem o qual não pode ser”

Que as Rosas Floresçam em Vossa Cruz