cabeçalho4.fw

Os Efeitos do Remorso

Os Efeitos do Remorso

Como existem muitos estudantes rosacruzes que praticam os exercícios recomendados pelos Irmãos Maiores para o desenvolvimento progressivo da alma e ainda não se sentem inclinados a penetrar no Caminho, parece-nos conveniente considerar o efeito oculto das emoções geradas por esses exercícios.

É muito comum, na prática do exercício de Retrospecção, o aspirante à vida superior, ao rever os acontecimentos do dia, em ordem inversa, chegar a um incidente no qual tenha injuriado a alguém ou deixado de ajudar a outro, ou de qualquer forma, não se comportou da maneira que acredita ser o ideal de sua vida. A esse aspirante ensinamos a cultivar um intenso remorso pelo que tenha feito de mal. Isto, com o objetivo de eliminar a imagem negativa impressa no Átomo-semente do coração, e onde permanecerá, até ser eliminada pelo sofrimento purgatorial.

Tal acontecerá, a menos que a imagem tenha sido apagada previamente, por meios artificiais, um dos quais é esse exercício.

No Purgatório, este processo se efetua pela força centrífuga de repulsão, que arrasta e destroça a matéria de desejos onde a imagem se tiver formado por cima de sua matriz de Éter. Nesse justo momento, a alma sofre tal como fez sofrer aos demais por uma singular condição das regiões inferiores do Mundo do Desejo – a região purgatorial.

Alguns videntes, incapazes de colocarem-se em contato com as regiões superiores, falam do Mundo do Desejo como de algo ilusório, e não são enganados no tocante às regiões inferiores, "já que ali todas as coisas aparecem invertidas como se fossem vistas num espelho". Esta particularidade não é casual. Nada no Reino de Deus é assim. Tudo se destina a um fim sábio e determinado. Esta reversão ou inversão, coloca a alma de injuriador na posição de sua vítima, de maneira que, quando se desenrola na tela uma cena da vida passada em que se conduziu indignamente em relação a alguém, a alma não permanece apenas como simples expectadora, contemplando o quadro repetido.

Naquele momento torna-se a vítima do prejuízo, sentindo a dor do injuriado, pois a força centrífuga de repulsão exercida para destruir a cena e arrojá-la do Corpo de Desejos do pecador, deve, ao menos, igualar ao ódio ou a raiva da pessoa atingida.

Durante a Retrospecção, o aspirante trata de imitar estas condições. Experimenta visualizar as cenas em que fez algo de mal, e o remorso que trata de sentir deve, ao menos, igualar o ressentimento sentido pelo ofendido. Produz-se então o mesmo efeito como se apagasse o registro da injúria, tal os erros cometidos através do fogo do remorso, a substância prejudicial, assim extirpada, deixa lugar a um influxo de matéria de desejos que "moralmente" é mais saudável, e terreno mais propício ao desenvolvimento de ações nobres. Quanto mais nos purguemos pelo remorso, tanto maior será o vazio produzido e melhor qualidade e grau de material novo atrairemos aos nossos veículos sutis.

Por outro lado, entretanto, se nos entregamos ao remorso e aos pesares durante as horas de vigília, como fazem alguns, excedemos o nosso purgatório; pois ainda que esse tempo seja dedicado à extirpação do mal, a consciência volta de um quadro ou cena a outro, mesmo depois de haver sido erradicado pela força de repulsão.

Pois bem: pela conexão dos Corpos de Desejos e Vital podemos reviver o quadro mentalmente, tantas vezes quanto desejarmos. E enquanto o Corpo de Desejos se dissolve gradualmente no purgatório, pelo expurgo do panorama da vida, uma porção determinada se acrescenta durante a existência no Mundo Físico, para substituir o que se expulsa por meio de remorso.

Assim, quando nos entregamos ao remorso e ao pesar exagerados, produz-se o mesmo efeito sobre o Corpo de Desejos, que o banho excessivo sobre o Corpo Vital. Ambos os veículos ficam exaustos devido a excessiva limpeza. Por esta razão, é tão perigoso para a saúde moral e espiritual comprazer-se, sem discernimento, com sentimentos de pesar e de remorso, como é fatal ao bem-estar físico, o banhar-se demasiado. O discernimento deve predominar em ambos os casos.

Ao praticarmos o exercício de Retrospecção, devemos entregar-nos ao sentimento de pesar e remorso com toda a intensidade possível. Devemos procurar que caiam de nossos olhos lágrimas de fogo, capazes de alcançar até o mais íntimo de nosso ser. O processo de limpeza deve ser levado a cabo tão conscienciosamente como nos seja possível. Porém, uma vez terminado o exercício, devemos fazer o mesmo que se faz no Purgatório, isto é, considerar liquidados os incidentes do dia, esquecendo-os completamente, salvo em casos de necessária restituição, escusas ou atos subsequentes que a consciência nos aponte. Resgatada, assim, a dívida, nossa atitude deve ser a de um inquebrantável otimismo, pois "ainda que vossos pecados sejam vermelhos como escarlate", tornar-se-ão "brancos como a neve"; e "se Deus é por nós, quem será contra nós".

Através dessa atitude, morreremos diariamente em relação ao dia anterior para renascer, a cada aurora, para uma nova existência espiritual, pois nossos Corpos de Desejos renovam-se assim, prontos para servir a um fim mais elevado na vida, do que até aquele momento.

Ao falar de pesar e de remorsos aplicados ao problema do desenvolvimento da alma, com seu efeito sobre os nossos corpos sutis, podemos mencionar proveitosa e igualmente o efeito do pesar dirigido em outras direções. Há pessoas que convivem com o pesar como se ele fosse um companheiro agradável. Levam-no ao leito, para despertar com ele na manhã seguinte, leva-nos ao trabalho, aos negócios, a igreja, tratam-no com cuidado como se fosse a coisa mais preciosa que possuíssem. Poderiam antes deixar de viver do que abster-se de manifestar seu sofrimento por todas as suas ninharias.

Tal como um vampiro suga o Éter do Corpo Vital de sua vítima e se alimenta dele, os pensamentos constantes de pesar e de remorso, concernentes a determinadas coisas, tornam-se um elemental, de desejo, que até como vampiro e extrai a vida das pobres almas que o sustentam. E o pior é que, em virtude da atração do semelhante pelo semelhante, procura a continuação desse mórbido hábito de pesar.

Não será com nossos pesares que socorreremos aos seres queridos que desapareceram do nosso lado. Tentando fazer com que as aparências sejam realidade, não faremos senão prejudicá-los. Eles abandonam a esfera atual de experiência e seguem adiante, para outros reinos, onde existem outras lições a aprender. E nós os detemos em seu caminho com nossos pensamentos, porque os recordamos mais profundamente durante algum tempo depois de passar para o além. Temos de considerar um dever dirigir-lhes pensamentos de carinho e de amor, em lugar do pesar egoísta, que tanto os prejudica, como também a nós. O pesar é contraproducente para o desenvolvimento espiritual, pois, enquanto o pensamento; Elemental assim criado, permanece em torno de nós, como vampiro, não podemos elevar-nos pelo escarpado caminho.

Repugnante e asqueroso como o abutre ou o corvo que se alimentam de restos decompostos de animais mortos, é o vão pesar que vive da nociva contemplação do passado e de seus erros. É, nosso dever expulsá-lo de nosso ambiente mental como expulsaríamos de nosso lar o primeiro abutre que nele tentasse penetrar. Por conseguinte, cultivemos uma atitude de otimismo em todas as coisas, porquanto todas as coisas, porquanto todas trabalham em conjunto para o bem final.

(Publicado na Revista 'Serviço Rosacruz' – 10/77)