cabeçalho4.fw

O Amor na Prática Astrológica

O Amor na Prática Astrológica

 

 "Quem esquadrinha os céus com o intento de salvar a própria alma poderá mentalmente apossar-se dos princípios e regras da Astrologia, mas não lhe alcançará a essência, em que residem seus reais objetivos. Aquele que tem bons intentos e age com amor poderá errar algumas vezes, mas Deus, por diversos meios, orientá-lo-á à Mansão dos bem aventurados".

 

Esses versos, lindos e profundos, são de um autor anônimo. Concordam perfeitamente com a doutrina de Cristo (conforme expressado no ensinamento envolvendo o jovem rico) e com o inigualável capítulo XIII da Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios.

 

O amor é o manancial da vida; unicamente ele torna a existência digna de ser vivida. Daí que na Astrologia, a Fraternidade Rosacruz muita consideração a Vênus, o Planeta do amor, examinando com muito interesse os aspectos com ele formados e com os signos por ele regidos.

 

Cada Casa, como sabemos, representa um departamento determinado de nossa vida, abrangendo os aspectos: físicos, moral, mental e espiritual. Exprime, portanto, de modo global, o que já realizamos naquela parte de nossa natureza e o que nos cumpre ainda aprender para que aperfeiçoemos nosso entendimento e expressão, de modo a atingir nosso objetivo de seres espirituais.

 

Quando aprendermos e ponderarmos o valor intrínseco dos Astros, poderemos ler a mensagem que eles continuamente nos expressam, sem necessidade de livros nem da ajuda de qualquer autoridade no assunto. Para chegarmos a esse ponto é necessário exercitar nosso poder divino interno de raciocínio, de analogia, de observação, para combinar devidamente os fatores simples e básicos dessa divina ciência. Então, chegaremos a ser realmente um astrólogo (palavra que significa: raciocinador a partir de assunto estelares).

 

Qualquer charlatão atoleimado poderá dissertar e exibir-se acerca do que dizem os livros. É fácil ler e repetir como um papagaio o que se memorizou de obras astrológicas.

 

Difícil, demorado e indispensável é formar o entendimento da matéria, e penetrá-la com nosso "eu", apropriar-se de seus conceitos, assimilá-los e incorporá-los ao nosso íntimo, de modo a, cada vez mais, poder investigar e deduzir conclusões originais e interpretar adequadamente os temas estelares. Como todo assunto sério, portanto, a astrologia espiritual não pode ser examinada superficialmente, porque as deduções errôneas poderão prejudicar mais do que a ignorância. Sabemos que muita gente se encanta com seus mistérios, mas desaconselhamos seu estudo a quem não deseje conhecê-la bem e, principalmente, empregá-la amorosa e desinteressadamente.

 

É muito compensador o esforço que se emprega em tal estudo e o serviço que ele nos permite prestar, pois, seguramente nos advém um assombroso crescimento anímico. Primeiramente conhecer, para que não suceda que como um cego, pretendamos guiar outro cego (fato muito comum nesta matéria). Depois empregar os conhecimentos, altruisticamente. Isto quer dizer: orientar segundo as necessidades contidas no horóscopo e conforme o caráter ali expresso, para elevar, libertar e esclarecer o próximo, sem nenhuma forma de compensação.

 

Ninguém pode acrescentar algo a sua alma, senão pelo amor que promove a sabedoria e pelo conhecimento que promove o entendimento. Sabedoria (coração) e conhecimento (razão) conjugados constitui a chave para a interpretação astrológica verdadeira. Quem recebe compensações na terra (materiais ou por qualquer forma de engrandecimento da personalidade) está pago e nada terá a receber nos céus (em seus planos internos e espirituais). E, como o exercício faz o órgão, essa faculdade, dessa forma desenvolvida, elevará o servidor e dará conhecimento e segurança maior do que os que as maiores autoridades lhe poderiam comunicar porque vai formando silenciosamente, um poder anímico de inestimável valor, denominado intuição, ou seja, um canal de recepção da sabedoria elevada e de primeira mão com nossa natureza Crística interna.

 

Podemos ensinar a levantar um tema natal. Para isso há regras certas, bem definidas e relativamente fáceis. Mas, ninguém pode ensinar alguém a ler, a interpretar um tema astrológico, de maneira adequada. O melhor método, que adotamos por ser o mais eficiente, é ode ajudar e orientar o estudante, dando-lhe os fatores, os princípios de cada Astro, Casa, Signo e Aspecto de modo a possibilitar-lhe formar um juízo horoscópio e extrair conclusões lógicas. É o que exporemos em próximos artigos.

 

Até lá, a recomendação é de que meditem bem no que aqui foi exposto, porque é de fundamental importância e previne muitas consequências desagradáveis.

 

(Serviço Rosacruz – 04/68)