cabeçalho4.fw

A dor é necessária no grande esquema das coisas? Não está no plano de Deus sentirmos alegria?

Pergunta: A dor é necessária no grande esquema das coisas? Não está no plano de Deus sentirmos alegria?

Resposta: Quando Tannhauser, levado pela sua paixão profana pela nobre, pura e virtuosa Elizabeth, vagou pela montanha e foi atraído para a gruta de Vênus, como o ferro pelo imã, ele não só teve permissão, mas foi encorajado a satisfazer totalmente os seus desejos sensuais. Naturalmente, saciou logo a sua paixão e implorou, em seguida, para ser libertado do poder da deusa Vênus e obter autorização para voltar a Terra. No decorrer de sua súplica, ele profere o truísmo de que no atual estágio de desenvolvimento, o ser humano precisa tanto da alegria como da dor para o seu próprio progresso. Na Mente filosófica, este sentimento é imediatamente aprovado, pois embora sejamos bastante humanos para ansiar pela alegria e temer a dor, não podemos em sã consciência negar o fato de que uma vida de constante alegria, sem o mínimo sofrimento para perturbá-la, seria absolutamente insípida e incolor. É a própria mistura da luz e sombra que confere beleza a um quadro ou a uma paisagem, e uma combinação semelhante de dor e alegria é necessária para dar sabor a vida e torná-la digna de ser vivida.

Do ponto de vista astrológico, a luz e a sombra da vida são proporcionadas pela posição e aspectos de Júpiter e de Saturno por ocasião do nascimento, juntamente com sua progressão e trânsitos em relação ao horóscopo de qualquer pessoa. A alegria e o riso provêm de Júpiter, o planeta da benevolência e do otimismo, que nos outorga os favores dos deuses a medida que merecemos sua generosidade. Por outro lado, Saturno, o planeta do pessimismo e da dificuldade, é o dispensador dos desfavores nos quais incorremos por ações que vão de encontro a lei, e visto sermos ainda tão ignorantes a respeito de como trabalhar em harmonia com o grande plano de Deus para o universo, não devemos admirar-nos de que sejam necessárias as chibatadas de Saturno para forçar-nos a entrar na linha sempre que nos desviamos do caminho da virtude. Não obstante, o que indica de forma mais significativa o amor do nosso Pai, é o fato de Júpiter passar três vezes ao redor do horóscopo, produzindo bons aspectos e oportunidades para cada revolução de Saturno, que nos traz experiências e que são chamadas de más porque nos falta a necessária compreensão para o fato.

Que bênção maravilhosa é a astrologia, propiciando-nos uma percepção interior do plano infinito de evolução, por meio do qual estamos sendo plenamente educados e levados da ignorância para a onisciência! Saturno é um dos fatores principais nesse processo de iluminação. Aqueles que não conhecem astrologia podem achar que a dor os acomete sem nenhuma razão justificável e, frequentemente, invejam os que são aparentemente mais afortunados que eles. Contudo, uma vez que aprendam a buscar a luz através da astrologia, toda a sua perspectiva de vida muda. Torna-se, então, evidente que o objetivo da nossa presença aqui não consiste no prazer, mas na experiência.

Não importa quão tristes ou quão desastrosas sejam essas experiências; o verdadeiro estudante de astrologia acolhe-as com alegria e procura descobrir tanto a razão do ponto de vista astrológico, como as lições a serem aprendidas. Além do mais, ele experimenta o consolo de saber que os aspectos que produzem efeitos desastrosos são apenas passageiros e que, no tempo devido o qual pode ser calculado, as chicotadas de Saturno desaparecerão, e o raio benéfico de Júpiter dispersará a tristeza saturnina e curará a ferida. Esse conhecimento dar-lhe-á, naturalmente, coragem para suportar os dias de provação e permitir-lhe uma atitude mental esperançosa que o ajudará a aguardar o fim das adversidades.

Quando vivemos na ignorância do grande plano de Deus e não compreendemos as fases cíclicas da dor e da alegria, introduzidas em nossas vidas para o nosso bem, através de Saturno e Júpiter, podemos ficar exaltados e excessivamente enlevados quando Júpiter nos cumula com as dádivas dos deuses – saúde, riqueza, amigos, sucesso e prosperidade. Tendemos também a ficar excessivamente deprimidos quando, sob o açoite de Saturno, somos privados de tudo que faz a vida digna de ser vivida. No entanto, quando o livro da vida nos for aberto pela sagrada ciência da astrologia, e nele reconhecermos o propósito benevolente de Deus e de Seus ministros para conosco, aprenderemos, gradualmente, a manter o nosso equilíbrio de forma que, quando as alegrias de Júpiter se apresentarem, não nos tornaremos excessivamente eufóricos, mas iremos recebê-las com espírito moderado e tranquilo, aprendendo a ser administradores de todas as boas coisas que nos são assim confiadas. Aprenderemos que não devemos usá-las somente para os nossos próprios interesses e propósitos egoístas, mas para o bem de todos e, algum dia, teremos que prestar contas e mostrar como usamos as provisões de nosso Senhor.

Por outro lado, as chicotadas de Saturno não serão muito severas ou aplicadas frequentemente sobre aquele que sabe examinar-se para verificar onde falhou, procurando a causa de suas tribulações sob as quais padece.

A lição será certamente entendida por quem procura com sinceridade e, ao descobrir a valiosa pérola do conhecimento, a alegria excederá de muito a dor decorrente do aprendizado dessa lição. Com o decorrer dos anos, desenvolver-se-á o mais valioso de todos os bens que o Ego possui, o equilíbrio, que eleva o ser humano que o possui acima do mar encapelado de emoções para o reino da paz eterna, que transcende toda a compreensão. Quando o ser humano tiver chegado a esse ponto de desenvolvimento, nem Saturno, nem Júpiter, nem quaisquer dos outros Espíritos Planetários terão o poder de influenciá-lo, pois ele terá aprendido a dominar seus Astros e a ajustar o seu destino de acordo com a sua própria vontade divina.

(Perg. 125 do Livro Filosofia Rosacruz em Perguntas e Respostas – Vol. II – Max Heindel – Fraternidade Rosacruz SP)