cabeçalho4.fw

A Astrodiagnose e Astroterapia: a Astrologia Médica

A história da Astrologia é a história do pensamento e das nossas aspirações. A ciência astrológica foi aperfeiçoada pelos magos filósofos da Época Atlante, estando, de um lado o surgimento do sacerdócio ariano e a profanação dos mistérios (ciências) e do outro o declínio dos últimos atlantes. Nesse momento começou a haver a separação: Astrologia e Medicina.

Os sacerdotes religiosos não mais exerceram o monopólio sobre as artes proféticas e médicas, separando-se da fundamental unidade entre as ciências físicas e espirituais. Surgiram novas categorias de: adivinhos e curadores, representantes do aprendizado da essência do conhecimento dividido e de fragmentos não cooperativos, assim como inúmeras partes discordantes: bruxaria, especialistas, comerciantes de horóscopos, experimentalistas, charlatães e supersticiosos.

Já na Idade Média, tivemos o nobre médico Paracelso dizendo: “Feliz o homem que não venha perecer pela mão de seu médico” e a Astrologia emitindo predições terríveis, com amuletos astrais, predizendo a sorte e superficialidades.

A despeito de tudo isso, grupos de seres humanos cultos e iluminados preservaram os segredos esotéricos da medicina e da astrologia, mantendo o conhecimento interpretado misticamente e os segredos espirituais: restaurados, ocultos do vulgo e dados somente àqueles que anelavam por coisas do espírito. Entre esses grupos de seres humanos estavam os Rosacruzes.

Agora, no Mundo Moderno vemos educadores que ignoram os valores espirituais; vemos a ciência material tornar-se uma instituição orgulhosa, que ignoram a alma, fascinados pela matéria não deixando lugar para o misticismo. Como resultado, temos uma desilusão geral e um abatimento pela insignificância das coisas materiais: fuga, desespero e tristeza. Tudo isso, somado a proximidade da Era Aquariana, da qual já estamos sentindo as suas fraternas influências, presenciamos: a volta do misticismo – trazendo um novo padrão interpretativo; o interesse renovado pela Astrologia e Cura e um apego pela Teoria Microcósmica (conceito de ordem e relação universal).

Observem que os primitivos Rosacruzes se apegaram a Teoria Microcósmica – geralmente rejeitada pela ciência. Paracelso foi o expoente mais destacado deste conceito de ordem e relação universal: “Assim como existem estrelas nos céus, assim também há estrelas dentro do ser humano. Portanto, nada existe no universo que não tenha seu equivalente no microcosmo (o corpo humano)” e “O espírito do ser humano deriva das constelações (estrelas fixas); sua alma, dos estelares; e seu corpo, dos elementos”.

Vejam em Gênesis, na Bíblia onde lemos que Deus fez o homem a Sua imagem e semelhança. E ao definirmos o Macrocosmo como a difusão do cosmos infinita com as suas: ilhas, galáxias, nebulosas, estrelas, estelares, corpos celestes onde inumeráveis formas de vida estão sempre evoluindo e; o Microcosmo como as células do nosso corpo incontáveis como as estrelas do céu e inumeráveis categorias de coisas vivas, espécies, tipos, gêneros se desenvolvendo dentro: da carne, dos músculos, dos ossos, dos tendões, chegaremos à chave mestra para todos os mistérios: “Como é em cima, assim é embaixo”.

Aqui, então, podemos definir a Astrologia como a inter-relação das forças celestiais entre o Macrocosmo e o Microcosmo, entre o externo a nós e o nosso interior, além de ser uma instrumentadora para a realização da Lei de Consequência ou Lei de Causa e Efeito:

  • Se “vivemos para comer ao invés de comermos para viver”, então, nessa ou nas próximas vidas colheremos complicações no aparelho digestivo
  • Se fomos excessivamente irritáveis, intolerantes, impacientes, impetuosos, então nessa ou nas próximas vidas colheremos desordens circulatórias e seus efeitos colaterais em todo o sistema: apoplexias, derrames, varizes, pressão sanguínea irregular, etc.
  • Se fomos por demais impulsivos e rancorosos, então, nessa ou nas próximas vidas colheremos úlceras, artritismo, disfunções glandulares, insuficiência cardíaca, pressão baixa, linfatismo, etc.
  • Se fomos muito ativos para o mal, então, nessa ou nas próximas vidas colheremos comportamentos maleficamente agressivos, violentos, vingativos e, obviamente, deveremos renascer: sem energia dinâmica e sem resistência a doenças; com membros defeituosos, acidentes com perdas deles; com articulações sujeitas a artrites; músculos com lumbago, bursistes, reumatismo; enxaquecas, etc.
  • Se abusamos do sexo, utilizando-o apenas para a gratificação do sensualismo, então, nessa ou nas próximas vidas colheremos, renasceremos sem vitalidade, carentes de vontade ou até com debilidades mentais
  • Se recusamos gerar ou aceitar o filho gerado para dar-lhe a luz, criá-lo e educá-lo, então, nessa ou nas próximas vidas colheremos, renasceremos com disfunções nos órgãos geradores, predispostos ao câncer de próstata ou laringe, útero, seios, estômago, etc.

Que ninguém se iluda: SÓ COLHEMOS AQUILO QUE SEMEAMOS.

A grande maioria de nossas doenças origina-se no nosso comportamento negativo face às circunstâncias e, quase sempre, envolvendo o nosso semelhante. É a velha história ou velho e misterioso conselho dado por Cristo no Sermão da Montanha: “se qualquer membro do teu corpo te escandalizar (o mau uso) arranca-o e joga-o fora...” E é o que fazemos literalmente antes de renascer!

Vejamos, agora, a questão do diagnóstico das nossas doenças ou enfermidades. Obviamente há dois tipos: através de efeitos ou através da causa.

Através dos efeitos baseia-se em sintomas externos ou reação dos medicamentos

Através da causa vai à origem da enfermidade. É esse o método preconizado pela Astrodiagnose e Astroterapia, envolvendo: o conhecimento dos melhores métodos para efetuar a cura; o tratamento que melhor o paciente responderá e o caráter do enfermo (forte, débil, negativo, emocional).

Pois, enquanto os exames médicos mostram as condições do nosso corpo no momento, o horóscopo mostra as enfermidades latentes e ativas de toda essa nossa vida terrestre. Deste modo temos tempo suficiente para: prevenir-nos, minimizar os efeitos e até não ter essa enfermidade, pois: “as estrelas impelem, mas não obrigam”!

E isso é possível porque a Astrodiagnose e Astroterapia indica o dia em que as crises vão se manifestar e quando as influências adversas diminuirão. Com o conhecimento de que a recuperação ocorrerá, nós temos forças para suportar e oferecer ajuda e esperança.

Todos sabem que estamos sujeitos aos seguintes tipos de enfermidades: física, psíquica, social, mental ou espiritual.

Nós construímos nosso Corpo Denso e o controlamos. Havendo doença nele concluímos que nós não fizemos o nosso trabalho como deveria ser. E isso é expresso nas duas classes de enfermidades apontadas em um horóscopo:

  • Latente
  • São indicadas pelas aflições planetárias no horóscopo quando nascemos
  • Podem permanecer latentes durante toda a nossa vida terrestre
  • Dependem do nosso modo de vida: se não respondemos às tendências apontadas pelas aflições planetárias, elas não se manifestaram
  • Podemos atuar com nossa vontade até o ponto de anular as indicações do nosso horóscopo
    • Ativas
      • São indicadas pelas aflições planetárias no horóscopo quando nascemos, mas nós respondemos a essas aflições, através: de pensamentos, sentimentos, palavras ou atos negativos, inferiores e destrutíveis
      • As posições planetárias progredidas nos dão os momentos de atuação
      • Consertando o nosso modo de vida: aliviaremos, suspenderemos ou seremos curados da enfermidade

Para aplicarmos no estudo dessa ciência e dessa arte de obter conhecimento científico das enfermidades, das suas causas, segundo indicações dos estelares, e dos meios de curar é necessário:

  • Dedicarmos ao conhecimento da fisiologia e anatomia do nosso Corpo Denso
  • Usar esse conhecimento altruisticamente para ajudar aos sofredores
  • Esquecer o próprio horóscopo e dedicar nosso conhecimento a ajudar os outros
  • Fazer os exercícios de Retrospecção e de Concentração todos os dias
  • Praticar mais a devoção em nosso dia a dia
  • “Pregar o Evangelho e curar os enfermos”

QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ